+351 261 814 240
38.964797, -9.302733

Silvicultura

Silvicultura preventiva e recuperação da área ardida.

As acções de gestão florestal, no que respeita à silvicultura, praticadas na Tapada Nacional de Mafra prendem-se, essencialmente, com a exploração de povoamentos de eucalipto, pinheiro-manso e pinheiro-bravo.

Desde que a TNM é gerida pela Cooperativa, a área de eucalipto tem vindo a diminuir, devido ao esforço de erradicação de áreas ocupadas por esta espécie que, por serem muito dispersas e de reduzidas dimensões, não eram economicamente viáveis.

Actualmente, existem cinco manchas, de maior dimensão, que estão a ser geridas com o intuito de maximizar a produção, serão geridas até ao final da sua explorabilidade.

Do pinhal-manso, extrai-se o pinhão e do pinhal-bravo aproveita-se a madeira das árvores mais velhas, com sinais de enfraquecimento.
Outro rendimento extraído tem sido o proveniente das lenhas vindas da desmatação e de árvores caídas.

Para a manutenção dos povoamentos autóctones, estes têm sido alvos de poda periódica bem como desramações e desbastes.

Futuramente, a Tapada Nacional de Mafra irá integrar a ZIF Mafra Este (Zona de Intervenção Florestal Mafra Oeste), apoiando a gestão sustentável de uma área florestal continua de cerca de 2600 ha, sendo a TNM um dos membros do núcleo fundador desta ZIF.

RECUPERAÇÃO DA ÁREA ARDIDA

Com o incêndio de Setembro de 2003, algumas das áreas de matos e floresta ficaram afectadas, nomeadamente zonas de urze, pinhal-manso, pinhal-bravo e eucaliptal.

Sendo estas manchas consideradas prioritárias em termos de reflorestação, as espécies escolhidas a plantar foram na sua totalidade folhosas, por serem menos combustíveis.

Após o levantamento da área ardida, a monitorização da resposta dada pelas diferentes espécies afectadas, e nas diferentes zonas, procedeu-se à elaboração de uma carta de capacidade de suporte da flora florestal, que serviu de base na escolha das áreas e das espécies plantadas.

Em Outubro/Novembro de 2003 procedemos à recolha de cerca de quinze mil sementes de sobreiro e quinhentas de Carvalho-cerquinho para propagação em viveiro, árvores estas que só estiveram prontas para plantação no Outono de 2004.